Russo salta de base jump do Monte Everest

Valery Rozov salta de BASE Jump do monte everest

Thomas Senf, Denis Klero

Por causa do local do salto e do ar rarefeito das altas altitudes, os momentos iniciais do salto eram os mais crticos. O russo precisou de mais tempo do que o usual para sair da queda livre e entrar em voo.

Depois de quase 60 anos que o primeiro homem chegou ao cume do Everest, o russo Valery Rozov, de 48 anos saltou da face norte do Monte Everest de base jump. Realizando, assim, o salto mais alto de base jump da história, a 7220 metros acima do nível do mar.

Há alguns anos, Rozov vem saltando dos lugares mais altos do mundo. Em 2009 saltou de um vulcão em atividade na península russa Kamchatka. Em 2010 voou de Ulvetanna, na Antartica e em 2012 saltou do monte Shivling, no Himalaia.

Este último, a 6420 metros, funcionou como teste final para seu maior desafio: saltar do Everest. Com 10 mil saltos na carteira, o russo concretizou o salto da montanha mais alta do mundo.

Mais de dois anos foram gastos na preparação para o desafio. Incluindo um considerável esforço para desenvolver uma roupa propícia para o voo. Rozov e sua equipe, que incluía quatro sherpas (guias locais) e equipe de filmagem e fotografia, ficaram quase três semanas no Himalaia antes do salto.

A ascensão começou no lado Chinês da montanha, na famosa rota norte. Razov selecionou o local do salto a 7220 metros de altura. Foram quatro dias de escalada do acampamento base até o local da partida. Exatamente as 14h30 do horário local, o russo saltou em condições adversas e temperaturas atingindo -18º Celsius.

Por causa do local do salto e do ar rarefeito das altas altitudes, os momentos iniciais do salto eram os mais críticos. O russo precisou de mais tempo do que o usual para sair da queda livre e entrar em voo. Depois disso, ele voou durante quase um minuto a velocidade de 200 Km/h até pousar em segurança do glaciar de Rongbuk, a 5950 metros.

"Só quando cheguei em casa eu percebi o quão difícil foi tanto fisicamente como emocionalmente", Rozov falou depois de voltar a Moscou. "Quando você olha os vídeos, você se dá conta que demora muito mais para sair da queda livre e começar a voar."

Related Content