Onde tudo começou

Leandro Overal, Bruno Tatini, João Geraldo falam da história da Carapicuíba, um dos berços do BMX Dirt brasileiro

Carapicuíba é o primeiro lugar que vem em mente quando a pergunta é Dirt Jump no Brasil. Caracas, para os mais íntimos, hospeda há mais de 15 anos gerações do BMX nacional.

A história do local começa nos anos 90, ano em que surgiram as primeiras sequências de rampas no local. Caracas se tornou em pouco tempo um ponto de encontro do Dirt brasileiro.

Durante todos esses anos pilotos de peso no cenário brasileiro e internacional passaram por lá e deixaram muita história para contar. Mike Moura, Gleison Felix, Sergio Sant’Anna, Hérides Cunha, Anthony Napolitan, Darin Reed e Cameron Wood são alguns nomes que já andaram por lá.

Diogo Canina frequentou por anos as rampas de Caracas. Lá o piloto aprendeu inúmeras manobras e evoluiu muito. Em 2011 Diogo trouxe seus amigos da Diamond Back para conhecer onde ele aprendeu muito sobre dirt.

Mauricio Cassulino

Julian Rocha mostrando muita evoluo com esse 360 lookback

Esta história foi retratada pela revista Ride BMX na edição de setembro de 2011. Uma das fotos tirada em uma  das sessões em Carapicuíba foi capa da revista, a primeira com um piloto brasileiro. Na foto: Diogo Canina.

O local continua formando pilotos. Leandro Overall se mudou para a cidade para poder andar em Caracas. Há oito anos Overall usa a terra de Carapicuíba para moldar seus estilo de pilotar.

“Eu amo Carapicuíba. Esse lugar tem sido muito importante para minha evolução como piloto profissional. Já passei horas no trem para ir e voltar para casa. Valia muito à pena. Hoje eu moro em Carapicuíba e estou ajudando a cuidar do local e andando com mais frequência,” explica Overall.

Hoje uma nova geração está se formando em Caracas. Pilotos como Bruno Tatini cresceram e evoluíram no Dirt de Caracas. “Comecei a freqüentar o local pulando as mesas e as rampas menores,” comenta Bruno sobre seu inicio. “Conheci o Overall e o João (Geraldo) que começaram a me incentivar a pular as rampas mais técnicas e difíceis. Hoje estou no quintal de casa. Nascer aqui por perto foi a melhor coisa que aconteceu para mim.” Explica Bruno.

O intercâmbio de informações e a colaboração são a essência para a evolução e conservação deste patrimônio do Dirt Jump brasileiro. Hoje gerações de pilotos se unem para manter Caracas vivo cavando e moldando as rampas. João Geraldo é um desses nomes. João foi um dos fundadores do local, e até hoje mantem influência direta no local. João faz questão de testar pessoalmente cada transição antes de aprovar a linha.

Mauricio Cassulino

Leandro Overall andando no quintal de casa. Carapicuba - SP

Construído em um terreno da COHAB o local ainda vive a incerteza da continuidade de suas atividades. Esse é um drama que a maioria dos locais de terra do Brasil vivem. Diversas tentativas de contato já foram feitas com a prefeitura e a secretaria de esportes para oficializar o espaço, mais ainda não houve nenhum retorno.

A volta do Dirt Jump para os X Games de Foz do Iguaçu trouxe uma notoriedade para Caracas. A nova geração sonha em um dia mostrar suas bases em um X Games. É bom saber que andar bem por ali pode ser um grande começo rumo a este sonho.

A competição do Dirt Jump nos X Games Foz do Iguaçu será no Sábado, 20 de Abril, às 20h.

Carapicuíba, onde nasceu o dirt no Brasil